Concursos Públicos - Organizando seu ambiente de estudo

ORGANIZANDO O SEU AMBIENTE DE ESTUDO – POST [#14]

A organização na preparação para um concurso público é extremamente importante. Não só a organização do estudo em si, como do ambiente que será utilizado por horas e horas a fio ao longo desta jornada. Neste artigo, tento responder a diversas dúvidas importantes em relação a esse tema que foram enviadas para o meu e-mail nos últimos anos e que, às vezes, são deixadas de lado por muitos concurseiros. Esclareço que grande parte deste conteúdo foi retirado do meu livro “Como Estudar Para Concursos”.

Preciso de uma boa cadeira para estudar?

Sim, sua cadeira para estudar deve ser a mais confortável possível. Ela precisa ter braços, diversas regulagens e um bom estofado. Nada de estudar nessas cadeiras de cozinha, de plástico, de madeira etc. Caso contrário, sofrerá com dores nas costas e no pescoço, desconcentrando-o de seu estudo. E, consequentemente, por causa das dores, ficará muitas horas a menos sentado na cadeira acumulando HBC. Aliás, acho que vou mudar essa sigla para HBCC (Horas-Bunda-Cadeira-Confortável).

Mesmo que gaste uns R$ 200,00 ou mais na compra de uma, saiba que será um excelente investimento. Não se preocupe com bobagens como a aparência da cadeira, compre a melhor que seu bolso permitir, mesmo que não combine com os outros móveis. Quando passar no concurso, decore sua casa do jeito que quiser, mas agora não é hora de pensar nisso.

Aquelas cadeiras grandes chamadas de “executivo” ou “presidente” geralmente não são boas, porque não encaixam bem nas costas. Também não são aconselháveis aquelas cadeiras muito estofadas, que alguns lugares chamam de “cadeira do papai”, porque nos deixam longe da mesa e de tão confortáveis nos induzirão ao sono.

A mesa de estudos tem que possuir uma altura adequada, pois se for muito alta, seus ombros vão doer, e se for baixa, suas costas que irão sofrer. Regule aumentando a altura da sua cadeira ou colocando calços na mesa.

Se você sempre estudar com os braços apoiados na mesa, a cadeira não precisará ter braços, o que pode baratear sua compra. Caso utilize os braços da cadeira, estes deverão estar na altura dos cotovelos, sem forçar os ombros para cima.

Devemos apoiar as costas principalmente na área da curvatura da coluna, e não somente na sua parte superior.

As suas pernas deverão estar dobradas fazendo um ângulo de 90º, com os pés totalmente plantados no chão ou em algum apoio próprio para eles. Não cruze as pernas, muito menos se sente em cima dos pés ou canelas, como se estivesse em posição de meditação, porque isso força sua coluna e prejudica a circulação do sangue, tão importante para o bom funcionamento do seu cérebro. Procure não balançar as pernas, estude com elas paradas, pois esse movimento prejudica a atenção.

Também evite estudar deitado, porque é um veneno para suas costas. Você pode até argumentar que sempre estudou no colégio ou na faculdade assim, mas pondero que eram por poucas horas, e agora, nesta sua fase de concurseiro, deverá passar os próximos meses estudando. Além de fazer um mal terrível para a sua coluna, traz desconcentração e sono.

Necessito utilizar um suporte para livros?

Sim, pois ao estudar por horas a fio com a cabeça abaixada, com o passar dos meses você começará a sentir muitas dores na nuca, refletindo depois nas costas.

Quando estudamos sem um suporte, abaixamos muito a cabeça para lermos o livro “deitado” em cima da mesa. Com o suporte, você vai inclinar o livro uns 30 a 45 graus e forçará menos sua nuca, porque olhará mais reto e menos para baixo. Se o livro ainda estiver baixo, coloque livros grossos embaixo do suporte para aumentar a altura, eu mesmo sempre fazia isso, melhorando muito a dor que sentia na nuca e que me atrapalhava bastante.

Outra vantagem que o suporte possui é que ele mantém a mesma distância da primeira e da última linha da página em relação aos seus olhos. Quando um livro está deitado em cima da mesa, essa distância varia, causando uma distorção (alongamento) na letra, que embora seja praticamente imperceptível, causa um ligeiro cansaço na vista. Com o suporte, esse tipo de cansaço visual desaparece. Pode parecer um mero detalhe, mas já foi provado que este efeito de distorção da letra ocasiona realmente um cansaço visual após horas de leitura.

Tem gente que reclama que ao usar um suporte não tem como fazer marcações no livro. É só saber se adaptar. Eu, por exemplo, marcava a lápis o início e o fim do que era para destacar, para só depois passar a caneta marca-texto. Na hora de fazer as anotações, tire-o do suporte e anote, mas você vai ver que a maior parte do tempo em que estudamos, ou estamos só lendo ou fazendo anotações em um rascunho em cima da mesa. Logo, podemos ler o livro em cima do suporte tranquilamente. Até hoje eu só sei ler livros, seja na mesa ou na cama, usando um. E minhas costas e nuca agradecem.

Deixe o livro a uma distância de 30 a 45 centímetros dos seus olhos.

Quando estiver lendo, mova somente os olhos, não acompanhe a leitura com a cabeça movendo-a da esquerda para a direita e vice-versa. Isso diminui a velocidade de leitura. Leitores rápidos e acostumados a ler bastante desde pequenos não movem a cabeça, só os olhos.

Mas qual modelo comprar? Há diversos no mercado, que podem ser de acrílico; de madeira, como os que usamos para suportar bíblias, ou de qualquer outro material. Há suportes até para ler deitado, mas não os recomendo para estudo, porque a posição não é indicada para estudo, pois causa sono. Eu utilizo um destes até hoje para ler livros de leitura antes de dormir, mas aí o sono é bem-vindo, ao contrário do horário de estudo.

No site www.mercadolivre.com.br você encontra ótimos suportes. Há até uma empresa especializada nisso, a Lector Brasil www.lectorbrasil.com.br. Uma busca no Google também mostrará inúmeras opções.

Não deixe de utilizar um suporte, pode parecer uma dica boba, mas ajudará muito o seu estudo. Talvez estranhe seu uso no início, mas logo se acostumará e não saberá mais viver sem ele.

Como escolho um lugar para estudar?

Primeiramente, o local deve ser o mais silencioso e sem interferências externas possível. Isso é óbvio, não é? Mas e se você não tiver um local assim? Pense em utilizar alguma biblioteca. É uma ótima dica, porque lá suas distrações serão muito menores, principalmente para quem tem família e filhos em casa. Mas evite sentar voltado para uma porta ou janela, para não se distrair, ou seja, de preferência, sente-se virado para uma parede e longe da entrada. Algumas bibliotecas possuem uma iluminação muito fraca, então, no caso destas, talvez tenha que se sentar próximo à janela, para aproveitar a luz natural, ou leve uma luminária portátil à bateria. Existem umas bem pequenas e baratas, que quebram um bom galho.

Porém, a biblioteca ou outro local propício para estudar não pode fazê-lo perder muito tempo com deslocamento. Se você gastar duas horas diariamente para ir até ela e voltar, no final do ano representará 700 horas de estudo a menos. O barulho, os familiares incomodando, o tempo gasto se deslocando para o seu local de estudo, enfim, tudo isso tem que ser levado em conta na hora de escolher um lugar para estudar.

Há diversos “tampões de ouvido” ou abafadores de ruído que também podem ser usados. Alguns não são muito eficientes, como os de silicone que usamos para natação, mas mesmo estes ajudam um pouco, são melhores do que nada. Os melhores são encontrados em lojas de roupas e acessórios para segurança no trabalho. Eu recomendo fortemente que utilize um destes, caso não estude em um local silencioso.

O fabricante Peltor possui excelentes abafadores de ruído, daqueles utilizados em estandes de tiro, que são vendidos pela 3M aqui no Brasil. No site da 3M (www.solutions.3m.com.br) você encontra, junto a outros diversos abafadores e protetores.

Apesar de recomendar os de tipo concha da Peltor, esses pesam na cabeça após um tempo de uso, então sugiro que tenha também um chamado “Polimer”, que custa uns R$ 2,00 e é todo verde.

Contudo, não espere que ele abafe tanto quanto um Peltor, mas ajuda bastante e não incomoda quase nada. Ele consegue reduzir o ruído em 16dB. Tem uma versão chamada “3M Pomp Plus” que tem a mesma aparência, mas é laranja com a cordinha branca, que reduz 18dB. O Peltor H10A do tipo concha reduz 27dB, mas é mais caro e um pouco pesado. Tem uma versão mais barata e mais leve, que reduz 20dB, a 1426.

Você pode ainda fazer uma combinação: nos momentos mais críticos de barulho use o Peltor com um desses internos que indiquei. Se optar por usar um abafador, prepare-se para ficar lindo estudando com aquilo na cabeça, parecendo o Mickey ou a Minnie.

E mais uma recomendação importante: além de procurar um local silencioso, evite ao máximo sofrer interrupções externas durante o seu estudo.

Alguns pesquisadores estudaram o prejuízo que ocorre quando estamos bem concentrados estudando e somos interrompidos. Constataram que se você estiver em seu nível máximo de concentração e for incomodado por algum barulho, como alguém lhe chamando ou um telefone tocando, você vai levar em torno de 15 a 25 minutos para voltar ao seu estágio anterior de concentração. Se você for mulher, levará um pouco menos. Sabendo disso, pense no quanto você vai se prejudicar ao atender a um telefonema ou a um chamado de algum parente para comer.

Bem, então qual é a primeira coisa a fazer após saber desse estudo? Desligue seus telefones! Ponha-os no modo silencioso e longe de você, para nem os escutar vibrando, o que também irá desconcentrá-lo. Depois retorne as ligações. Escrevemos um artigo que aborda aplicativos para estudar para concursos públicos aqui no site, que contém dicas sobre como silenciar as notificações nos smartphones (clique aqui para ler).

Algumas pessoas, principalmente as mães, ficam preocupadas com seus filhos caso algo aconteça na escola, por exemplo, e nunca desligam os celulares, recebendo assim centenas de ligações que não são urgentes (ainda bem). Caso seja este o seu caso ou algo parecido, se possuir um telefone fixo, peça para que seus familiares mais próximos liguem para você no fixo, nunca no celular, deixando-o no silencioso e distante. Pense nisto: as ligações que realmente importam são as para seu telefone fixo, basta avisar os mais próximos. Infelizmente, essa dica não vale para o imenso número de pessoas que só possuem o celular ou que estudam fora de casa, mas ainda assim servirá para muitos.

Ainda tem outra maneira, que também funciona para quem estuda fora de casa: compre um celular vagabundo, que pode ser pré-pago e passe-o somente para seus contatos de emergência, como seu filho e a escola dele e seus pais. Não passe esse número para sua lista de contatos. Quando estiver estudando, deixe somente este vagabundo ligado e o seu bonitão desligado.

Além disso, quando ligar para alguém, estabeleça um tempo máximo para despender com a ligação. Você tem que voltar a estudar logo caso tenha sido interrompido. Claro que não estou me referindo às suas horas de lazer, e sim da hora em que poderia estar estudando em vez de perder seu tempo precioso falando bobagem ao telefone.

Peça para ser incomodado somente em último caso. Por último caso entenda aquelas situações extremas, tais como: sua casa pegando fogo, seu filho se machucando ou quando o Flamengo conseguir ganhar do Vasco. Explique para sua mãe ou outro parente qualquer que tem programação para a hora de parar de estudar para almoçar, não os deixe interromper seu estudo gritando o tradicional: Fulano, vem comer logo, porque seu bife vai esfriar! Se fizerem isso, o que vai esfriar vai ser seu cérebro. Saiba a hora aproximada de fazer suas refeições e assim que achar conveniente parar seu estudo para ir comer, faça isso.

Soube de um rapaz que trabalhava durante o dia e quando chegava em casa havia muito barulho por causa dos filhos. Ele passou a estudar dentro do carro na garagem do seu prédio e, mesmo nesta circunstância, passou em um concurso concorridíssimo. É como reza o ditado: Quem quer arruma um jeito; quem não quer, arruma uma desculpa.

Para finalizar este item, apresento o resultado de um artigo recentemente publicado, que afirma o contrário do que todos os especialistas sempre recomendaram: que se deve ter um local fixo para estudar. Este artigo mostrou que é melhor que haja sempre alteração do local de estudo, pois se constatou que, quando precisarmos nos lembrar de uma informação, será mais fácil nos recordarmos quando conseguimos associá-la ao local no qual a estudamos.

Sinceramente, não concordo com isso. Até acredito que o local diferente nos ajude a lembrar, mas isso se aplica para quem não estuda com tanta frequência como nós. Como fazer para alterar toda hora o local se o estudante terá que estudar por meses e meses? Impossível, concorda comigo? Você mora em uma mansão com dezenas de quartos disponíveis para estudar? Apesar de não concordar com esse estudo, por achar que não se adéqua à nossa vida de concurseiro, não quis deixar de mencioná-lo, para que você tome conhecimento e possa refletir.

A mesa de estudo deve ser organizada de que forma?

Primeiramente, sua mesa não pode estar muito ocupada, nem o ambiente à sua volta. A desordem causa uma tensão visual, uma sensação de caos e de falta de motivação, devido à sobrecarga de estímulos.

Logo, não acumule mil livros e outros objetos em cima de sua mesa. Deixe-os por perto, mas não em cima da mesa, a não ser que tenha espaço suficiente para escrever e manusear seus materiais. Entretanto, deixe sempre em cima dela o suporte para livros, canetas coloridas, régua, luminária, água etc.

Não acumule também inúmeras canetas e lápis que raramente utiliza. Coloque as canetas comuns, a caneta marca-texto e as lapiseiras dentro de um pote, guardando aquelas que quase nunca utiliza em um local diferente da mesa de estudos.

Sempre que for estudar uma disciplina, deixe à mão os materiais que geralmente utiliza, para que não precise se levantar da cadeira, causando desconcentração. Exemplo: se for estudar Direito Constitucional, pegue o(s) livro(s) que sempre usa e a Constituição Federal e deixe-os ao alcance de suas mãos.

Não deixe materiais de disciplinas diferentes da que você for estudar em cima da mesa para não causarem distração.

Outra dica que aconselho e que utilizei na prática é colocar um tampo de vidro em cima da sua mesa, deixando-a totalmente plana para escrever. Eu gastei uns R$ 40,00 com ele. Embaixo desse vidro coloquei um papel com algumas frases curtas, que me faziam estudar mais e que guardo até hoje como lembrança. Eu escrevi “Estude!”, “Raça, guerreiro!”, “No final tudo compensa” e outras mais. Há pessoas que colocam um papel com o salário que querem conquistar ou até mesmo um xerox de um contracheque (“holerite”, para os paulistas) de um amigo. Alguns colocam fotos de lugares que querem conhecer no futuro. Enfim, coloque aquilo que lhe dê ânimo. Você vai precisar!

Esses tipos de mensagens são importantes para que você obtenha um gás a mais nos momentos de desânimo enquanto estiver estudando. Escreva frases curtas. Elas podem estar embaixo do tampo de sua mesa, como eu fiz, ou coladas na parede em frente ou em qualquer outro lugar de fácil visualização.

No meu caso, também coloquei uma planilha com o número de questões que caíam em cada prova, com seus respectivos pesos, e até um cartaz de um carro novo, que eu iria comprar quando conquistasse o salário almejado.

Como ilumino o ambiente de estudo?

A iluminação do seu local de estudo não pode ser muito forte, para não arder seus olhos, nem muito fraca, pois vai ocasionar desconcentração e, consequentemente, sono.

De preferência, aproveite a luz natural, porque é melhor do que a artificial. Mas não é para deixar a luz do sol incidir diretamente no seu material de estudo, e sim para deixar entrar a luz que vem indiretamente por sua janela. Experimente estudar na praia com o sol incidindo diretamente em seu material de estudo e sentirá o incômodo que ele causa.

E mesmo a luz artificial também não pode incidir diretamente em cima do papel, ela tem que ser difusa, caso contrário, como o papel branco reflete em média 85% da luz, os seus olhos começarão a arder com o passar das horas e o seu estudo renderá menos. Projete-a na parede, para que só o seu reflexo atinja o papel.

Nunca deixe uma lâmpada piscando em seu ambiente de estudo, porque vai atrapalhar bastante sua concentração. Troque-a o quanto antes, de preferência por uma lâmpada fria (fluorescente comum ou compacta ou LED). A compacta é aquela que chamamos de eletrônica, com bocal igual ao de uma lâmpada incandescente comum, já a fluorescente comum é aquele tubo grande que colocamos no teto. Há ainda uma fluorescente compacta que é chamada de “não integrada”, porque não tem aquela rosca da lâmpada comum, e sim dois pininhos. Sua iluminação é melhor que a compacta comum, mas pouca coisa, não vale gastar mais só por isso.

A comercialização da incandescente com 60W ou mais está proibida desde 2015, logo, inevitavelmente, você terá que colocar uma lâmpada fria em seu ambiente de estudo. Seu bolso na hora de pagar a conta de luz agradecerá.

Evite fazer sombra em cima do material de estudo. Logo, se for destro, coloque a iluminação vindo da esquerda, e se for canhoto, da direita, pois assim sua mão e seus outros objetos de estudo, como canetas e régua, farão menos sombra no material.

Caso sinta seus olhos ardendo ou cansados, experimente esfregar suas mãos uma na outra até aquecê-las bem e coloque-as sobre os olhos por uns 30 segundos. Isso ajudará a relaxá-los.

Estudos recentes mostraram que pessoas de todas as idades comumente aumentam o grau de miopia ao atravessarem uma fase de estudos, como vestibulares e concursos, então seguir essas dicas sem dúvida minimizará a chance disso acontecer.

De que forma organizo este monte de materiais impressos que possuo?

Organize seu material por disciplina. Os livros até podem ser colocados todos na mesma estante, pois são fáceis de serem localizados, mas os materiais impressos devem ser separados em diferentes pastas, gavetas ou prateleiras. Economiza muito tempo de estudo.

No início, você achará que isso é exagero meu, mas, com o passar do tempo, a quantidade de materiais impressos, como apostilas, exercícios, resumos, provas, dicas etc. será imensa, e se não estiver tudo muito bem dividido, tomará uma boa quantidade do seu precioso tempo de estudo a constante busca desses materiais.

Imagine-se estudando concentradamente uma matéria quando no meio do estudo decide consultar algo em outro material da mesma disciplina. Se estiver tudo muito bem organizado, rapidamente achará o que quer e voltará ao estudo, sem muita perda na concentração. Agora, se demorar a achar o que quer encontrar, além do tempo perdido, quando voltar a estudar, estará com uma concentração muito menor.

Essa dica é muito simples de ser implementada: se imprimiu uma dica sobre como estudar ou algum boato de concurso, coloque-a em uma pasta própria. Se foi uma prova, idem. Se foi um edital, idem. Se foi um texto sobre alguma disciplina, coloque-o na pasta reservada para ela. Vai ser muito mais fácil estudar dessa forma, deixando uma pasta só com provas, outra só com editais etc. Ao final de meses estudando, terá poupado muitas horas de estudo.

O mesmo vale para a utilização do computador. Organize tudo em pastas e subpastas. Abra uma pasta para cada disciplina, subdividindo-a em apostilas, exercícios, resumos etc.; outra pasta para provas, subdividida por banca examinadora; outra para editais; outra para dicas de estudo; outra para textos diversos etc.

Organizar ambiente de estudo - Concursos Públicos - Método de Estudo

Livre para compartilhamento, desde que mencione este artigo com o respectivo link.

Espero ter ajudado vocês com essas dicas de organização.

Um abraço do Alexandre Meirelles e muitas HBCs!

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar tanto o artigo quanto a imagem nas redes sociais:

10 respostas
  1. Wislley
    Wislley says:

    Alexandre, eu utilizo sempre o material em PDF para leitura ou vídeo aulas. Somente as anotações que são em papel. Nesse caso, há alguma orientação específica para a melhora do estudo? Obrigado.

    Responder
  2. Renata Christofoletti
    Renata Christofoletti says:

    Ótimas dicas, Alexandre, obrigada! Realmente tudo isso faz sentido e agrega qualidade aos estudos. Semana passada, acabou a reforma da casa do vizinho (depois de quase 3 longos meses) e eu finalmente pude descartar o uso dos protetores auriculares e dos fones tbm; a redução daquela barulheira infernal de martelos, furadeiras, talhadeiras e serras que foi como um dilúvio sonoro pra mim, finalmente se extinguiu e, depois disso, percebi que minha concentração ficou redobrada – que diferença! Sério, eu já não sabia mais o que fazer e mesmo qdo eu ouvia aquelas frequências binaurais tipo beta, gama, teta, algum incômodo ainda permanecia; ou seja; o “som ambiente” ou “do ambiente” interfere diretamente, principalmente quando temos a necessidade de um rendimento marcado por cronograma e metas de estudo. O silêncio e a minimização de todos os possíveis ruídos ainda é melhor que a concorrência de sons, no caso de se tentar “cobrir” o som ambiente usando fones de ouvido e escutando sons binaurais como fiz. Gostei muito do artigo; tô na luta; beijos!

    Responder
  3. Selma lopes
    Selma lopes says:

    Comentário excelente sobre local de estudo. Concordo com Meirelles quanto ao mesmo local para estudar com concentração. Na prática funcionou comigo na preparação para o vestibular. A noite depois de um dia de trabalho e cursinho, sentava na última cadeira de uma sala vazia de um colégio interno e estudava até a exaustão por volta das 3 h da manhã. Lembro muito bem do bom rendimento daquele ano com um resultado melhor ainda: quinto lugar no curso regular e primeiro como ré – opção em outro curso. Isso numa faculdade federal. Logo, estudar no mesmo lugar todos os dias em completo silêncio, foi decisivo para mim. Obrigada Alexandre por disponibilizar tudo isso. Grande abraço. Selma lopes – Campinas/SP.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *