Imagem de capa dos cinco erros que atrapalham a aprovação em concursos publicos

CONCURSOS PÚBLICOS – 5 ERROS QUE ATRAPALHAM SUA APROVAÇÃO – POST [#1]

São muitos os erros que os concurseiros, principalmente os iniciantes, costumam cometer. E o resultado do acúmulo desses erros quase sempre é a reprovação. Alguns insistem em seus erros por anos e anos, não percebendo que enquanto os repetirem, terão grandes chances de não passarem nunca.

Inúmeros concurseiros sofrem da famosa doença chamada desculpite, que é arrumar desculpa para tudo, do seu baixo rendimento em alguma disciplina até a não aprovação no último concurso realizado, pondo a culpa na banca, nos professores, nos livros etc. Isso até pode ocorrer, mas a verdade absoluta, o óbvio ululante, é que quase sempre não foram aprovados ou por não terem acumulado horas de estudo suficientes ou devido aos seus próprios erros.

 

Você pode encarar um erro como uma besteira a ser esquecida, ou como um resultado que aponta uma nova direção.Steve Jobs

 

Bem, mas quais seriam estes erros? Neste artigo vou focar em 5 erros que podem atrapalhar sua aprovação em concursos públicos. Para facilitar o entendimento, resolvi classificar os tipos de concurseiros em cinco grupos, cada qual cometendo um erro específico (inseri no final do texto uma ilustração que resume o conceito geral). Vamos a eles:

 

1. O CONCURSEIRO METRALHADORA


Acha que se “atirar para todos os lados”, aumentará a sua chance de ser aprovado. A realidade, porém, mostra o inverso.

 

 

 

 

O foco é muito importante na sua preparação. Será possível estudar ao mesmo tempo para Auditor Fiscal, Policial Federal e Auditor do Tribunal de Contas da União, por exemplo? Cada concurso possui a sua particularidade, suas matérias específicas. Atualmente, há milhares de candidatos que estão estudando pesado só para um concurso determinado. Se você mudar o seu foco, apenas por que saiu um edital, acha que terá mais chances de passar do que esses outros candidatos?

Não estou dizendo que você não pode alterar a sua escolha. Mas essa mudança tem que ser pensada, estudada. Quanto maior a diferença dos editais, mais passos para trás você dará a cada mudança realizada. Deixo claro que isso é diferente de estudar hoje para um concurso e, ao passar a prova desse, investir em outro, de preferência com editais parecidos. Não há problema algum nesse tipo de estratégia.

 

2. O CONCURSEIRO DESORGANIZADO

Não tem planejamento para os estudos e acaba perdido no meio de tanta matéria a ser estudada.

 

 

 

 

A organização na preparação para um concurso público pode ser a diferença entre ser ou não ser aprovado. Se você quiser ser aprovado, terá de ser organizado em seus estudos, e muito. Não precisa ficar paranóico com organização nem elaborar mil planilhas para se controlar, pois a perda de tempo com essas coisas poderá ser maior que o ganho no rendimento, mas um certo nível de organização é imprescindível.

Você pode continuar sendo desorganizado na vida pessoal, mas com os estudos, nem pensar. Eu sempre fui muito desorganizado com minhas coisas, daquele tipo de filho de enlouquecer a mãe, mas com meu estudo fui muito organizado, e tenho certeza absoluta de que essa característica foi importantíssima para conseguir minhas aprovações.

Criei o método do ciclo de estudo, controlei meu estudo após o edital por meio de um calendário e do quadro de controle de horas, dentre outras coisas. Bem, pelo menos no meu caso, não teria passado se não tivesse feito tudo isso, não tenho a mínima dúvida.

É óbvio que milhares de candidatos foram aprovados não sendo tão organizados, mas com certeza teriam sido mais bem classificados ou aprovados em menos tempo caso tivessem sido.

 

3. O CONCURSEIRO APRESSADO

Pretende resolver todos os problemas de sua vida com poucos meses de estudo. Como está desempregado ou mal-empregado e percebe que passar em um concurso vai solucionar seus problemas financeiros, resolve estudar para concursos, pois acredita que em poucos meses estará bem empregado.

Passar em um concurso exige meses e meses, ou melhor, na maior parte dos casos, anos de estudo. Diz-se que a mediana do tempo de estudo dos aprovados em concursos de nível médio é de seis meses a um ano e meio, enquanto que para os de nível superior, de um ano e meio a três anos.

Há aprovados com menos tempo que isso? Claro que há, aos montes, mas são exceções. E basear seu futuro nessas exceções, é no mínimo irresponsabilidade ou ilusão.

O tempo pode ser o seu melhor aliado ou o seu pior pesadelo. Tenha ciência de que a variável tempo no mundo dos concursos públicos pode não depender tanto de você quanto você gostaria.

O principal problema em relação ao tempo necessário para a aprovação é a não previsibilidade dos concursos públicos. Você pode começar a estudar hoje e o edital do seu concurso sair antes que você esteja preparado para enfrentá-lo ou demorar muito para sair. Assim, o “timing” perfeito, ou seja, conseguir o menor período de preparação até a aprovação não depende de você e isso pode causar uma certa frustração.

Faça uma reserva financeira para se manter nos próximos meses ou anos. Se eu fosse começar hoje a estudar para um concurso bem concorrido, pensaria em como me manter por uns dois anos pelo menos. Se dependesse de outras pessoas para sobreviver, teria uma conversa bem franca com elas e explicaria que iria tirar um tempo da vida para investir em meu futuro, que seria um melhor futuro para os “investidores” também.

Não gere a falsa expectativa que tudo vai acabar em poucos meses. Esteja preparado para o pior. Como sempre digo, “no final tudo compensa”, mas chegar ao final feliz pode demorar um pouco mais do que você imagina…

 

4. O CONCURSEIRO AVARENTO

Acredita que estudando só por materiais gratuitos baixados da internet ou por apostilas de bancas de jornal irá se tornar um fiscal, policial, servidor do Judiciário etc. Isso dificilmente acontecerá.

A concorrência nos concursos públicos hoje em dia é muito maior que há alguns anos. Economizar na sua preparação pode ser um erro fatal. É a famosa economia burra.

Para ser aprovado em um concurso de alto nível de dificuldade, o candidato vai gastar alguns milhares de reais. Seja em cursos, seja em bons livros. No caso de alguns concursos de nível médio (concurso para INSS, CEF, Banco do Brasil), é até possível passar usando apostilas e economizando bastante, mas para os mais concorridos, como de nível superior do Judiciário e Legislativo, Auditor, Analista do Banco Central etc., nem pensar, vai ter de gastar mesmo. E por mais que gaste, com um ou dois salários o investimento já estará pago, representando o melhor investimento que conheço.

Agora, isso não quer dizer que vai sair por aí gastando dinheiro à toa. Para quase todas as disciplinas, você só precisa de um bom material teórico. Se for estudar para a área fiscal, caso ainda não esteja cadastrado no site, sugiro que faça parte da lista de contatos da Método de Estudo (clique aqui) e receba o arquivo que escrevi com minhas sugestões bibliográficas.

Bem, e se o concurseiro não possuir recursos financeiros para investir em um concurso de alto nível? Sugiro que arranje um capital para investir, nem que seja investindo primeiramente em um cargo que não pague tanto, mas que seja suficiente para se manter e investir nos estudos mais avançados depois.

 

5. O CONCURSEIRO TEÓRICO

Não gosta ou tem medo de fazer exercícios, estuda só a teoria.

O que é necessário para ser aprovado num concurso com provas objetivas? Basicamente, acertar o maior número de questões possíveis ao mesmo tempo que as regras do edital (mínimo por disciplina ou mínimo por prova) sejam cumpridas.

É lógico que sem o conhecimento teórico é muito difícil marcar o X no gabarito correto. Acontece que para fazer isso é necessário muito treino. Você tem que conhecer como a banca do seu concurso cobra determinados tópicos de algumas disciplinas na prova, quais são os temas mais recorrentes e treinar os melhores métodos de resolução para a hora da prova.

Entretanto, é necessário um planejamento para a escolha de quais exercícios fazer na sua preparação. Não basta sair fazendo exercícios de um modo desembestado, pois você pode perder tempo com questões que não vão cair daquela forma em sua prova.

Resumindo: concurseiro que faz poucos exercícios não passa! Você não precisa ser PhD nas disciplinas do seu concurso. Você tem que marcar o X no local correto!

Seja um exterminador de exercícios. Seja um Schwarzenegger dos concursos!

OS 5 ERROS ATRAPALHAM SUA APROVAÇÃO EM CONCURSOS PÚBLICOS

Livre para compartilhamento, desde que mencione o post atual.

Bem, caros concurseiros, apontei os cinco tipos de erro que considero como os principais, espero que sirva como alerta para muitos.

Um abraço do Alexandre Meirelles, um cara que errou muito quando foi concurseiro, mas que soube consertar seus erros a tempo de ser aprovado.

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar tanto o artigo quanto a imagem nas redes sociais:

53 respostas
  1. José Roberto
    José Roberto says:

    Olá professor, gostei muito muito do artigo, mas eu tenho uma dúvida! Se eu começar a estudar agora para Auditor Fiscal da Receita Federal tendo só 5h30 min. por dia terei chances? ou devo fazer um concurso escada como o ATA do MF ou BB, CEF? O bom é que tenho quase todos os livros para a áreas fiscais. Por favor responde para mim!.

    Responder
    • Alexandre Meirelles
      Alexandre Meirelles says:

      José,
      5h30 é um ótimo tempo de estudo diário.
      Claro q tem chances sim, mas tem q saber estudar direito, por bons materiais e esperar acumular conhecimento suficiente para encarar seus concursos, sejam eles quais forem.
      Abraços,
      Alex

  2. Renata Christofoletti
    Renata Christofoletti says:

    Alexandre, seu artigo está excelente! Direto ao ponto e levantando as dicas exatas para solucionar cada um dos problemas – obrigada!
    O “meu concurso” é pro cargo de Analista Judiciário e não tenho dúvidas de que este é o meu caminho e exatamente o que quero ser e fazer. Infelizmente levei quase 7 anos pra descobrir isso devido à falta de foco (concurseiro metralhadora) e tbm à falta de grana (concurseiro apressado). Hoje, após 4 meses de estudos e computadas 832 HBCs (marcadas fielmente em meu histórico de estudos), cobri todo o edital mas ainda sinto que falta consistência e repetição nas assimilações. Há 3 meses contratei um website para a resolução de questões de prova direcionadas e agora estou na fase de revisar pelas questões e cair fundo na letra da Lei. Contudo, essa nossa jornada de concurseiros é também uma zona de limites que fica sempre numa linha muito tênue entre conquistas e fracassos; por exe: desde minha decisão pela área e cargo, eu assumi o volante, liguei os motores, apertei os cintos e engatei a 1ª, a 2ª, a 3ª, a 4ª e a 5ª marchas e vim numa toada só até a semana passada, aí tivemos acontecimentos em avalanche e uma morte trágica na família que me pegaram em cheio: fiquei doente a ponto de ir pro hospital e ainda esta semana tive que ir pro PS de novo. Qual é a lição aqui? Eu não calculei meus estudos X minha condição física-emocional (stress, ansiedade, fadiga) de modo a deixar espaço para imprevistos e isso foi burrice. Nunca sabemos o que poderá ocorrer nessa jornada (que desejamos que seja tão exata e controlada), mas que pode sim, nos acometer com situações que aparecem como um caminhão na curva e nos pegam de frente. Mesmo assim, estou tão viciada nos estudos que, driblei a febre e a dor e não deixei de estudar nem um dia sequer – eu sei, é loucura, mas eu sou essa louca mesmo; só paro se estiver no hospital, rs. Ainda bem que tem você para nos trazer equilíbrio e sustentação. Valeu, forte abraço!

    Responder
  3. ALLANA SOUZA
    ALLANA SOUZA says:

    Olá Professor Alexandre!Dicas valiosas.Tenho o seu livro e estou lendo pela segunda vez.Me ajuda muito a direcionar a maneira como eu vou estudar.Obrigada!Parabéns pelo blog!

    Responder
  4. Ninja
    Ninja says:

    Boa tarde Alexandre!
    Quero parabenizá-lo por compartilhar sua experiência de fracassos e sucessos – como vc mesmo diz em seu livro concursos fiscais – com centenas/milhares de concurseiros por todo o Brasil.
    Tenho aprendido muito através dos seus ensinamentos e dicas sobre a melhor maneira de estudar, assim como mensurar o rendimento ao longo dos ciclos de estudo rumo ao acúmulo do máximo de HBCs possível.
    Um forte abraço e que Deus abençoe vc e sua família!

    Responder
  5. ALEXANDRE MENDONCA ATALIBA
    ALEXANDRE MENDONCA ATALIBA says:

    Professor, meu xará, quão valiosíssimas as suas dicas e tenho tomado um gosto muito grande pelas estratégias ao te acompanhar no site e-mail ou YouTube. Confesso q hj me considero um concurseiro. A bibliografia me ajudou muito a montar meu material, ainda estou adquirindo alguns títulos. O q falar dos Ciclos de Estudos? Estou usando a técnica e me deixa mais confiante. Ainda tenho alguns medos, como o de não fazer exercícios e a melhor forma de organização do material de estudo. Sou concurseiro comprometido, mas iniciante. Ainda tenho duvida sobre estudar o livro capítulo a capítulo ou edital. Enfim, sou muito grato a vc por falar a nossa voz.
    Saudações cariocas!

    Responder
  6. Mariana
    Mariana says:

    Olá, me formei na faculdade em Janeiro e desde então resolvi que queria fazer concurso e me matriculei em um cursinho, porém a maior dificuldade que estou tendo nesse momento, acredito que por ter começado a estudar recentemente, é em relação à organização do estudo e as revisões periódicas. Gostaria, se possível, e algumas dicas em relação a isso. Muito obrigada

    Responder
  7. Maira Cristiane
    Maira Cristiane says:

    Saudações mineiras!
    Caraca ! Consegui me identificar em alguns desses perfis! Que trágico , rs!
    Alex , te ”sigo” em tudo quanto é canto , leio tudo que você posta (quase tudo) ! E olha que conheço o seu belíssimo trabalho a pouco tempo , mas o suficiente para mudar o meu rumo de estudos. Melhorei alguns pontos e pretendo aperfeiçoar outros. Estou na batalha dos concursos desde 2009 , já sou servidora pública estadual , e há pouco , tendi a me arriscar de maneira profissional na área fiscal ! Vou com tuuuudo ! Sua indicação de bibliografia , bem como seus artigos , livros e palestras me ajudaram muito! Tenho muito respeito e admiração por você!
    Grande abraço !

    Responder
  8. FRANCISCO LIMA
    FRANCISCO LIMA says:

    Alexandre, grande Coaching, muito interessante seu artigo,ele representa bem os perfis de estudantes para concursos. Entendo que na superação desse erros citados por você levará a mudanças no modo de encarar a maratona chamado concurso público. Para mim, os Concursos Federais são barra pesada, mas agora sei que é porque estou nos grupos dos apressados, desorganizado e metraladora, mas a partir das suas dicas buscarei cair fora deles; já até comprei o livro Concursos Fiscais para me orientar nessa “São Silvestre” da vida.

    Responder
  9. Alex Sander
    Alex Sander says:

    Professor meu desafio ainda é a organização e o horário cara, mas as suas dicas tem ajudado a desenhar uma boa estratégia. Não aquela todos dizem que é a melhor, mas aquela que eu consigo tirar o meu melhor. Vejo muitos falando na internet sobre métodos, mas quando a gente para pra ver o seu leque de vitórias não passam de meros mortais. Ainda bem que existem ET’s(risos), como o senhor e o grande mestre Demi!! Abraço!!!

    Responder
  10. Lêda Christian Libardi Libório
    Lêda Christian Libardi Libório says:

    Belo puxão de orelhas! Trabalho 8 hs diárias e viajo por 4 hs. Estou de mudança para alterar esse quadro e poder aumentar as horas de estudo! Parece óbvio tudo que escreveu, mas sempre cometemos os mesmos erros! Muito obrigada pelas dicas, Alexandre! Leio tudo que vem de vc! Parabéns!

    Responder
  11. Michelli
    Michelli says:

    Obrigada
    Excelente artigo!

    Bom saber através de um especialista se estamos no caminho certo, acho que estou cometendo o erro de achar que em muito breve já terei passado no concurso
    Mas estou focada em um único concurso que sairá provavelmente apenas em Julho de 2017, já estou estudando e com um excelente material

    As vezes perdemos o foco ou ficamos desmotivados por não ter o apoio que esperávamos

    Bom saber que não estamos sozinhos nesta jornada!!!

    Obrigada Henrique!!!!!

    Responder
  12. Maiara
    Maiara says:

    Obrigada Alexandre, pois com sua ajuda, percebi vários erros, e estou aprendendo muito!!! Tenho certeza, que depois que conheci suas dicas não sou mais a mesma pessoa na hora de estudar!

    Responder
  13. Raildo Araújo
    Raildo Araújo says:

    Muito bom, Alexandre!!!
    Acredito que tudo se resume à ORGANIZAÇÃO.
    Manter seu canto de estudos organizado, cumprir suas HBC é essencial.
    Quando o material está bagunçado a gente até se desmotiva para estudar – bate o desânimo e a falta de foco nos deixa desacreditados – por isso é importante manter-se focado, motivado e, principalmente, organizado.
    Parabéns pelo artigo!!!

    Responder
  14. Luciana R Braga
    Luciana R Braga says:

    Boa noite Alexandre!
    Caramba você literalmente foi pontual nesse artigo.
    Me vi um pouco na mistura do concurseiro metralhadora e apressado. rsrsrs
    Estou desempregada no momento e gostei da dica de fazer um concurso básico e passar para que tenha condições de investimento nos maiores concursos, esta também é a minha visão uma vez que paralelo ao desemprego já tenho uma graduação superior.
    A dica que o Gustavo Pordeus deu a Betsy é por demais valiosa, confesso que estudava por quadro de estudos e acabava não conseguindo ir até o fim devido aos imprevistos que aconteciam, e eles infelizmente acontecem, o que me deixava bem frustrada, pois a sensação é horrível. Vendo alguns videos no youtube e lendo artigos como o seu, acabei adotando os ciclos e confesso que esta bem melhor. Estou acabando de fazer uma análise dos futuros concursos que pretendo realizar, olha o concurseiro metralhadora se manifestando…rsrs, como objetivo de fazer uma base que me possibilite estar preparada para as áreas que quero, sei que são diversas materias com conteudos vastos mas acredito no planejamento, organização, motivação /Fé, e foco, quando falo de foco refiro-me as áreas de Auditor (Receita e Trabalho) e Analista(administrativo para tribunais-TRE, TRT, TJ,…)
    Tudo requer tempo, preparo e dedicação e acredito que estou no caminho certo. rs
    Obrigada por compartilhar conosco a sua experiência e nos motivar através desses preciosos artigos!

    Responder
    • Alexandre Meirelles
      Alexandre Meirelles says:

      Luciana, as áreas de fiscos e de tribunais são bem diferentes, SE EU fosse vc, escolheria uma delas.
      abs

  15. RÔMULO
    RÔMULO says:

    Boa noite, particularmente esses textos são uma injeção de ânimo para nós que estamos nessa estrada um pouco longa…..
    Tem horas que parece não ter fim…..

    Responder
  16. Silvio Toss
    Silvio Toss says:

    Muito obrigado Alex, você nos ajuda muito passando sua experiência e dicas.
    Acredito que muitas pessoas mudaram suas vidas , atingindo os objetivos almejados com muito empenho e com seus “pitacos”.Um grande abraço e obrigado

    Responder
  17. Igor
    Igor says:

    Uau! parabéns pelo artigo, Meirelles! Seus ensinamentos são obrigatórios para quem almeja passar num concurso de ponta! abraços da Ilha do Governador!

    Responder
  18. Marizete
    Marizete says:

    Já estou me organizando melhor, pois a técnica de estudo por ciclos tem me tranquilizado. Além disso, somente o livro da matéria que vou estudar fica sobre a mesa.

    Responder
  19. Betsy Morais
    Betsy Morais says:

    Me vi completamente na concurseira DESORGANIZADA, por favor Alexandre me ajuda em sair desse ciclo. Não sei por onde começar, infelizmente. São pelas disciplinas mais difíceis para mim ou não?; são as matérias mais recorrentes que começa ou não? quanto tempo para cada disciplina e quantas disciplinas eu começo? Ufa…Eis os grandes questionamentos. Peço ajuda urgente. Agradeço desde já.

    Responder
    • Gustavo Pordeus
      Gustavo Pordeus says:

      Boa tarde! Para cada concurso existe algumas matérias que fazem a base. Exemplo :Estudo para a área fiscal , então as matérias básicas para esse concurso são aquelas mais recorentes na área fiscal e que tb tem o maior peso. São elas ( Direito Tributário, Contabilidade Geral e avançada, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Português e Raciocínio Lógico). Quando vc conseguir estudar essas disciplinas insira outras no seu ciclo de estudos. Nunca estude por esgotamento de matérias, pois vc nunca irá terminar seu estudo. Estude por ciclos. Exemplo uma, duas ou três matérias diferentes por dia, dividindo o tempo pela dificuldade da matéria e pela importância na prova. Sempre que estudar a parte teórica de algum assunto faça uma bateria de exercícios comentados. Também é importante fazer sempre revisões periódicas das matérias para não esquecer o que e estudou. Faça anotações e marque o que é importante no seu material teórico para poder revisar. Estude muito e sempre acredite nos seus objetivos. O pensamento positivo faz milagres! Um abraço! ☺

  20. Hélio
    Hélio says:

    As pessoas querem estabelecer uma relação para ganhar 10, 15k por mês para o resto da vida mas querem isso com alguns meses de esforço
    Um cargo assim não vem de graça.
    “Estudar até passar e Não para passar”-William Douglas

    Responder
  21. Thereza Souza
    Thereza Souza says:

    Excelente texto!

    Eu particularmente preciso ser uma concurseira menos teórica e menos medrosa.

    Aos poucos chegarei lá, estou na estrada!

    Responder
    • Gustavo Pordeus
      Gustavo Pordeus says:

      Boa tarde! Eu tb era assim. Só estudava teoria, mas o diferencial é fazer muitos e muitos exercícios e repetir aqueles que errou. Dê preferência sempre aos exercícios comentados. Faça sem os comentários e depois veja o comentário daqueles que errou. Um abraço! ☺

    • Carlos Fernando
      Carlos Fernando says:

      Exatamente isso que o Gustavo Pordeus disse. Usa sempre sem os comentários e, quando errar, veja o por que e então faça todas aquelas questões novamente. Assim, nunca mais você vai errar nesses assuntos e vai sempre lembrar o motivo pelo qual a questão é assim, acertando sempre. Outra dica boa é o famoso caderno dos erros, no qual a gente anota as questões resolvidas durante o estudo, o percentual de acertos, erros, a matéria e o assunto estudado (o motivo da anotação do percentual é que assim, dá para saber onde está acontecendo o erro em cada questão, sabendo então o que devemos revisar e melhorar na fixação do que ter que estudar tida a matéria novamente.

  22. Lisboa
    Lisboa says:

    Acredito que o quesito organização seja o calcanhar de Aquiles pois o longo prazo precisa ter uma resiliência e tanto para se manter motivado pois convenhamos que estudar é chato pacas!

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *